Entre e aconchegue-se, a casa é sua!

"Agradeço muito por você fazer parte da minha viagem, e por mais que nossos assentos não estejam lado a lado, com certeza, estamos no mesmo vagão."

"Se você sabe explicar o que sente, não ame,
o amor foge de todas as explicações possíveis."

"Todos ganham presentes, mas nem todos abrem o pacote."

"Não quero ter a terrível limitação
de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido.
Eu não:
QUERO UMA VERDADE INVENTADA."



"Está em nossas mãos criar as condições que nos permitam descobrir uma forma diferente de ser. Por que não agir como a borboleta que acreditou que não deveria se limitar a uma existência de lagarta e, hoje, trocou sua vida limitada pela LIBERDADE DE VOAR POR ENTRE AS FLORES."

"Acalma meu passo, Senhor.
Desacelera as batidas do meu coração, acalmando a minha mente.
Diminua meu ritmo apressado com uma visão da eternidade do tempo.
Em meio às confusões do dia a dia, dê-me a tranqüilidade das montanhas.
"





quinta-feira, 25 de março de 2010

Silêncio que grita... vida que fala!

"Eu tenho algo muito esclarecido dentro de mim: não se pode deixar fendas nas palavras. Além de franqueza é necessário precisão.
Sempre procurei agir assim, mas infelizmente para algumas pessoas isso parece ser um esforço descomunal e é aí que surgem as tais fendas. Estas, por sua vez, podem se transformar em um buraco negro que suga todo tipo de relacionamento para os confins do espaço!

Palavras poupadas, vontades escondidas, sentimentos implícitos e um desastre eminente! Mas qual a explicação? Medo! Razão breve, porém confusa! O dicionário Aurélio conceitua medo como 'sentimento de viva inquietude ante a noção de perigo...'

E nestas relações entre seres humanos, isso se aplica ao fato de que nada provoca mais temor do que a verdade. Mas venhamos e convenhamos. Existe atitude mais forte do que agir de forma verdadeira, tomando consciência das próprias vontades e sendo legítimo com os outros e consigo?

Não gosto de me sentir mal interpretada. Não me agrada deixar buracos em minhas palavras, muito menos em meus sentimentos. Necessito de clareza no que vivo, e o que sai pela minha boca é o que escapa das minhas idéias.

E entre silêncios que gritam e o medo de arriscar ouvir a verdade, escolho sujeitar-me a tagarelice sincera e autêntica da vida!"

(por Jordana Sampaio)

Nenhum comentário: