Entre e aconchegue-se, a casa é sua!

"Agradeço muito por você fazer parte da minha viagem, e por mais que nossos assentos não estejam lado a lado, com certeza, estamos no mesmo vagão."

"Se você sabe explicar o que sente, não ame,
o amor foge de todas as explicações possíveis."

"Todos ganham presentes, mas nem todos abrem o pacote."

"Não quero ter a terrível limitação
de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido.
Eu não:
QUERO UMA VERDADE INVENTADA."



"Está em nossas mãos criar as condições que nos permitam descobrir uma forma diferente de ser. Por que não agir como a borboleta que acreditou que não deveria se limitar a uma existência de lagarta e, hoje, trocou sua vida limitada pela LIBERDADE DE VOAR POR ENTRE AS FLORES."

"Acalma meu passo, Senhor.
Desacelera as batidas do meu coração, acalmando a minha mente.
Diminua meu ritmo apressado com uma visão da eternidade do tempo.
Em meio às confusões do dia a dia, dê-me a tranqüilidade das montanhas.
"





quarta-feira, 31 de março de 2010

Não é adeus nem despedida

"Não sei como falar, não sei como explicar, não sei nem por onde começar.
Não é adeus, nem despedida, é uma pausa em nossas vidas, que acho que precisamos colocar.
Só não sei se essa pausa vai se estender e confirmar que juntos não devemos mais ficar...
E que precisamos estar livres para em busca de outros sonhos nos lançar.
As dificuldades têm sido como tempestades e na distância não existe nenhuma originalidade.
O amor, aquele que é de verdade, tem urgência e necessidade de ser vivido intensamente...
E o que temos tido não tem sido coerente com o que sentimos e buscamos.
Pouco nos vemos, pouco nos encontramos e tão pouco fazemos amor.
A maior parte do tempo é saudade e dor que habita nossos corações.
Não merecemos viver de esperas e ilusões, de poucas entregas e tantas tentações.
Talvez tenhamos nos encontrado no tempo e local errado...
Talvez o nosso grande pecado tenha sido sonhar tão alto e com isso ter dado um salto que à parte alguma tem nos levado.
Acho que precisamos amadurecer a idéia de que nossas vidas precisam acontecer e que para isso elas necessitam de prazer.
Não é adeus, nem despedida, quero apenas dar a nós dois o direito de vivermos uma nova vida e fazermos novas tentativas.
O amor não ficará de lado, pra sempre trarei guardado tudo que você representou pra mim...
E eu sei que com você também será assim.
Mas, acredite, não é adeus, jamais poderia ser despedida...
Apenas uma opção muito dolorida."

(por Silvana Duboc)

terça-feira, 30 de março de 2010

Hoje é um Dia Especial - Mudanças


Hoje é um dia especial!

Pelo menos, pra mim.
Começei a sorrir mais cedo.
Acordei pensando em coisas boas.
E resolvi alimentar os meus melhores sonhos.
Escutei uma música legal e dançei, mesmo que sozinha.
Pensei nas pessoas que são, realmente, importantes pra mim e valorizei as que estão mais próximas.
Resolvi perder o controle, gritar, espalhar alegria.
Lembrei-me que sou uma privilegiada, nem todos têm as mesmas oportunidades.
Agradeço!
As coisas mais importantes são aquelas que não podemos ver.
Começo hoje aquela mudança em minha vida que eu venho adiando.
Não espero para ser feliz.
Não adianta tentar fugir dos meus problemas...
Ninguém consegue!
Esqueço deles por um dia, o de hoje.
Depois aprendo o que tiver que aprender... e os enfrento!
Não vou me deixar abater.
Acredito!
Tenho energia.
O mundo começará a mudar quando eu mudar.
Hoje, quando começa um novo ciclo na minha vida, eu resolvi...
Vou mudar!
Eu preciso mudar!
E é hoje o melhor dia pra eu fazer isso... MUDAR!
Viver vale a pena... SEMPRE!!!

E hoje eu fecho mais um ciclo...
E abro outro...
Liberando para ser feliz de novo!

(por Ivy Liv)


Mudanças

"Hoje eu vou mudar...
Vasculhar minhas gavetas,
Jogar fora sentimentos e ressentimentos tolos,
Fazer limpeza no armário,
Retirar traças e teias e angústias da minha mente,
Parar de sofrer por coisas tão pequeninas.
Deixar de ser menina prá ser mulher!
Hoje eu vou mudar...
Por na balança a coragem,
Me entregar no que acredito prá ser o que sou sem medo.
Dançar e cantar por hábito.
E não ter cantos escuros prá guardar os meus segredos.
Parar de dizer: 'Não tenho tempo prá vida' que grita dentro de mim...
Me libertar!
Hoje eu vou mudar...
Sair de dentro de mim, não usar somente o coração.
Parar de contar os fracassos,
Soltar os laços e prender as amarras da razão.
Voar livre com todos os meus defeitos prá que eu possa libertar os meus direitos.
E não cobrar dessa vida nem rumos e nem decisões.
Hoje eu preciso e vou mudar!
Dividir no tempo e somar no vento todas as coisas que um dia sonhei conquistar...
Porque sou mulher como qualquer uma...
Com dúvidas e soluções.
Com erros e acertos.
Amores e desamores.
Suave como a gaivota e ferina como a leoa.
Tranqüila e pacificadora.
Mas ao mesmo tempo irreverente e revolucionária.
Feliz e infeliz.
Realista e sonhadora.
Submissa por condição.
Mas independente por opinião.
Porque sou mulher...
Com todas as incoerências...
Que fazem de nós o forte sexo fraco.
Eu preciso mudar!
Hoje eu vou mudar!!!"

(por Vanusa e Sérgio Sá)

Deixe espaço para a vida nova

"Li um texto desses que correm pela internet, cujo autor é Joseph Newton, e falava sobre os vazios necessários. Apesar do começo ser óbvio, eu continuei lendo já que a amiga que me enviou é inteligente e raramente envia coisas do tipo. Pois bem, o autor diz que enquanto não nos desapegarmos de objetos antigos, aqueles que guardamos por anos sem uso algum, estaremos ocupando o espaço que, certamente, é de uma coisa nova.

Ele continuava dizendo aquilo que sabemos: guardamos sentimentos velhos também, sentimentos que já não nos dizem respeito, mas que, por pura birra, cismamos em cultivar. Lembranças de dores passadas, mágoas, desconfianças, rancor: tudo isso pode, e deve, ir para o lixo.

A parte boa do texto, a que me chamou a atenção, é a que dizia que a gente só guarda aquilo que teme que faltará, que criará vazio, por pura carência, e acaba enviando duas mensagens ao nosso cérebro: 'não confio no futuro' e 'o novo e o bom não são para mim'. Mania que a gente tem de achar que é melhor 'isso que eu tenho agora' do que 'quero criar mais, experimentar mais, viver mais'.

Fiquei feliz por perceber que, apesar da música do Lulu Santos dizer que 'assim caminha a humanidade, com passos de formiga e sem vontade', tem gente que pôe a cabeça pra funcionar e cria mensagens que nos encorajam a dar passos, mesmo que pequenos hoje, mas sinceros e rumo ao objetivo de ser inteiro.

Há fases em que a gente vai devagar mesmo (para um pouco também), mas já reparou como, às vezes, esse monte de passinhos viram um salto? É quando a vida parece que muda de repente, sem lembrar que tudo foi plantado, construído, cuidado de certa forma.

Algumas pessoas acreditam em destino, outras em acaso, coincidência. Muitas, assim como eu, acreditam em conquistas. Acreditam que, sim, há um traço direcionando para aquilo que herdamos de nossos pais, com suas crenças e vivências, mas que, fundamentalmente, criamos a nossa história sempre que damos lugar ao novo e, principalmente, ao que é realmente importante na vida.

Clichê, eu sei, mas se tanta gente insiste em repetir, verdade tem nisso: pare de temer, há vida no risco, há desejo, pulso, energia, movimento. Eros.

Vá lá e confira. Experimente. Aprenda. Saiba porque viveu não porque ouviu.

Vá!

Seja feliz!"

(por Acácia Lima)

domingo, 28 de março de 2010

Faz uma loucura por mim...


"Faz uma loucura por mim...
Sai gritando por aí, bebendo e chora
Toma um porre, picha o muro que me adora

Faz uma loucura por mim...
Fica até de madrugada, perde a hora
Sai comigo pra gandaia noite afora
Só assim eu acredito nessa história
Que você sentiu saudades de me ter

Pôe na prática besteiras da memória
Pensa menos, faz de tudo, manda ver
Vem pra dentro, tenta ser da mesma escória
Como já fiz mil loucuras por você...

Nós dois, se é pra recomeçar que seja até o fim
Nós dois, se não e pra ficar não gaste o teu latim
Nós dois, só posso te aceitar ao ver que você faz
Uma loucura por mim...

Depois, que você me provar que vai fazer assim
Depois, você pode provar o que quiser de mim
Depois, já posso acreditar que você foi capaz
De uma loucura por mim.

Faz uma loucura por mim...
Se tem outra em tua vida manda embora."

(por Chico Roque e Sérgio Caetano)

Lua Bonita

"Oh! lua
Tu que dizem ser a grande inspiração
De um grande amor
De uma grande paixão
Brilha pra mim
Que eu quero encontrar
Aquele sonho esquecido
Que ficou perdido em algum lugar

Lua bonita que brilha
Iluminando o céu
Faze de mim um poeta
E me ensina a cantar

Mostra pra mim o caminho da felicidade
Por seus raios prateados eu vou me guiar

Traga pra mim qualquer noite
Um amor de verdade
Não quero mais a saudade
Como inspiração

Só quero ter na lembrança momentos felizes
Momentos inesquecíveis
Que alegraram o coração

Lua bonita que brilha
Iluminando o céu...

Oh! lua..."

(por Carlos Andarilho)

sábado, 27 de março de 2010

Quase Amor



"Que poder é esse e o que é que eu fiz?
Que desejo é esse que eu sempre quis?
Fez-se paraíso dentro de mim
Mas choveu granizo no meu jardim

Era quase amor, tipo casual
Atravessa a dor e não fica mal
Eu fui condenado sem ter juiz
Me senti culpado de tão feliz

Um físico desafiou:
'Como que o sentimento
pode o tempo atravessar!'
Um cínico dissimulou:
'Isso vai passar!'
Um místico profetizou:
'Tava no seu caminho,
escrito e não se apagará!'
Um lírico poetizou:
'Dá pra ver no ar!'

Era um quase amor, tipo casual
Atravessa a dor e não fica mal
E eu fui condenado sem ter juiz
Me senti culpado de tão feliz

Um místico profetizou:
'Tava no seu caminho,
escrito e não se apagará!'
Um lírico poetizou:
'Dá pra ver no ar!'

Isso é pra usar, é de sinceridade
Eu morro de pensar, fico na vontade
Mas se o que você diz já não é verdade
Que maldade..."

(por Jorge Vercilo)

quinta-feira, 25 de março de 2010

Silêncio que grita... vida que fala!

"Eu tenho algo muito esclarecido dentro de mim: não se pode deixar fendas nas palavras. Além de franqueza é necessário precisão.
Sempre procurei agir assim, mas infelizmente para algumas pessoas isso parece ser um esforço descomunal e é aí que surgem as tais fendas. Estas, por sua vez, podem se transformar em um buraco negro que suga todo tipo de relacionamento para os confins do espaço!

Palavras poupadas, vontades escondidas, sentimentos implícitos e um desastre eminente! Mas qual a explicação? Medo! Razão breve, porém confusa! O dicionário Aurélio conceitua medo como 'sentimento de viva inquietude ante a noção de perigo...'

E nestas relações entre seres humanos, isso se aplica ao fato de que nada provoca mais temor do que a verdade. Mas venhamos e convenhamos. Existe atitude mais forte do que agir de forma verdadeira, tomando consciência das próprias vontades e sendo legítimo com os outros e consigo?

Não gosto de me sentir mal interpretada. Não me agrada deixar buracos em minhas palavras, muito menos em meus sentimentos. Necessito de clareza no que vivo, e o que sai pela minha boca é o que escapa das minhas idéias.

E entre silêncios que gritam e o medo de arriscar ouvir a verdade, escolho sujeitar-me a tagarelice sincera e autêntica da vida!"

(por Jordana Sampaio)

terça-feira, 23 de março de 2010

Ainda ontem chorei de saudade



"Você me pede na carta que eu desapareça,
Que eu nunca mais te procure, pra sempre te esqueça.
Posso fazer-lhe a vontade, atender seu pedido,
Mas esquecer, é bobagem, é tempo perdido.

Ainda ontem chorei de saudade
Relendo a carta, sentindo o seu perfume.
O que fazer com essa dor que me invade?
Mato esse amor, ou me mata... o ciume!

O dia inteiro te odeio, te juro, te caço,
Mas em meu sonho de noite, te beijo e te abraço,
Porque os sonhos são meus, ninguém rouba e nem tira.

Melhor sonhar a verdade que amar a mentira...
O que fazer com essa dor que me invade?
Mato esse amor, ou me mata... o ciume!"

(por Moacyr Franco)

segunda-feira, 22 de março de 2010

Redimensione seus sentimentos

"Quando a gente sente - seja algo bom ou ruim - a tendência é criar fantasias. Claro que as fantasias serão prazerosas ou desgastantes de acordo com a qualidade do sentimento em questão, mas o fato é que a união entre sentimento e pensamento sempre acaba em fantasia.

Num primeiro momento, é provável que fiquemos presos à idéia de que ‘fantasia’ tem a ver com ‘sexual’, já que uma palavra é bastante empregada em seguida da outra. Porém, fantasia, de acordo com o dicionário, ‘é aquilo que não corresponde com a realidade, mas é fruto da imaginação’; e sabemos: imaginar é uma de nossas capacidades mais incríveis, que pode nos levar às mais surpreendentes experiências sensoriais.

Pois bem... quando estamos num relacionamento ou nos sentindo envolvidos por alguém, torna-se quase inevitável fantasiar. Geralmente, as fantasias começam com expressões do tipo ‘se eu fizer isso, ele...’, ‘se ela realmente quisesse...’, ‘se ele gostasse deste jeito...’; ou seja, suposições que nos provocam novos sentimentos e tantos outros pensamentos.

Outro tipo bastante comum de fantasia é aquela em que vamos imaginando uma situação, uma conversa, um encontro... imaginamos o que falaríamos e o que o outro responderia... como nos comportaríamos e como o outro reagiria... e sem nos darmos conta, vamos despertando sensações físicas tão intensas que, não raramente, rimos sozinhos, choramos em silêncio, as batidas do coração aceleram, sentimos raiva, medo, saudades, alegria, mágoa, enfim... sentimentos nascidos das tais fantasias.

Embora o dicionário afirme que elas não correspondem com a realidade, vou discordar! Há uma realidade primária dentro de cada um de nós que se torna palco para nossas fantasias mais secretas, mais profundas. Talvez não possamos mesmo considerar esta realidade como sendo coletiva, mas é individual, singular e pode ser decisiva num momento de escolha, de tomar uma atitude e se posicionar diante da vida.

Portanto, fantasiar tendo plena consciência de que você está fantasiando pode ser um exercício formidável para a criatividade e a expansão da sua percepção. Só que fantasiar sem ter noção de que você está criando uma realidade paralela, dando uma dimensão ilusória aos fatos ou ainda, supervalorizando ou subestimando seus sentimentos, pode ser uma grande armadilha.

E quando isso acontece, você pode enxergar situações que não existem, alimentar sentimentos que não estão baseados em coisa alguma, criar expectativas que nunca poderão ser correspondidas e entrar numa dinâmica frustrante que te remete sistematicamente à sensação de inadequação e vazio. Se bobear, você transforma uma relação num lastimável fracasso ou numa linda história de amor, sem se dar conta do que realmente está acontecendo.

A verdade é que, na grande maioria das vezes, o criador de ilusões sabe - bem lá no seu íntimo - que está fantasiando; mas tem tanto medo de encarar a si mesmo que prefere ficar acomodado neste seu mundo fantástico. E faz isso de um modo tão particular que nem se atreve a dividir suas fantasias para não correr o risco de ser desmascarado.

Se você se sente fantasiando, use a técnica da verbalização. Transforme suas fantasias em palavras ditas em voz alta, para alguém em quem você confia. Se puder fazer isso com alguém que esteja preparado para não te influenciar, melhor ainda. Fale o que sente, o que pensa, o que gostaria de fazer... e à medida em que vai ouvindo suas próprias palavras, à medida que vai escolhendo uma a uma para expor suas fantasias, você vai redimensionando seus sentimentos, redescobrindo sua verdade, refazendo sua percepção da realidade.

A partir de então, as suas chances de fazer escolhas mais certeiras, tomar atitudes mais eficientes e desenvolver sentimentos mais prazerosos aumentarão significativamente. E assim... suas fantasias passarão a ser o que deveriam desde sempre: uma deliciosa brincadeira do amor!"

(por Rosana Braga)

sexta-feira, 19 de março de 2010

Tolerância



"Como água no deserto, procurei seu passo incerto
Pra me aproximar a tempo...
O seu código de guerra e a certeza que te cerca
Me fazem ficar atento...
Não me importa a sua crença, eu quero a diferença
Que me faz te olhar de frente...
Pra falar de tolerância e acabar com essa distância
Entre nós dois...
Deixa eu te levar, não há razão e nem motivo pra explicar
Eu te completo e que você vai me bastar, eu sei!
Tô bem certo de que você vai gostar...
Você vai gostar...
Como lava no oceano, um esforço sobre-humano
Pra recomeçar do zero...
Se pareço ainda estranho, se não sou do seu rebanho
E ainda assim te quero...
É que o amor é soberano e supera todo engano
Sem jamais perder o elo...
E é por isso que te espero e já sinto a mesma coisa em seu olhar.
Deixa eu te levar, não há razão e nem motivo pra explicar
Eu te completo e que você vai me bastar, eu sei!
Tô bem certo de que você vai gostar...
Você vai gostar..."

(por Ana Carolina e Antônio Villeroy)

quinta-feira, 18 de março de 2010

Da chegada do Amor

"Sempre quis um amor que falasse, que soubesse o que sentisse.

Sempre quis uma amor que elaborasse, que quando dormisse ressonasse confiança no sopro do sono e trouxesse beijo no clarão da amanhecice.

Sempre quis um amor que coubesse no que me disse. Sempre quis uma meninice entre menino e senhor, uma cachorrice onde tanto pudesse a sem-vergonhice do macho, quanto a sabedoria do sabedor.

Sempre quis um amor cujo 'Bom dia!' morasse na eternidade de encadear os tempos: passado, presente, futuro, coisa da mesma embocadura, sabor da mesma golada.

Sempre quis um amor de goleadas, cuja rede complexa do pano de fundo dos seres não assustasse.

Sempre quis um amor que não se incomodasse quando a poesia da cama me levasse.

Sempre quis um amor que não se chateasse diante das diferenças. Agora, diante da encomenda, metade de mim rasga afoita o embrulho e a outra metade é o futuro de saber o segredo que enrola o laço, é observar o desenho do invólucro e compará-lo com a calma da alma, o seu conteúdo.

Contudo, sempre quis um amor que me coubesse futuro e me alternasse em menina e adulta, que ora eu fosse o fácil, o sério e ora um doce mistério, que ora eu fosse medo-asneira e ora eu fosse brincadeira, ultra-sonografia do furor.

Sempre quis um amor que sem tensa-corrida-de ocorresse.

Sempre quis um amor que acontecesse sem esforço, sem medo da inspiração por ele acabar.

Sempre quis um amor de abafar (não o caso), mas cuja demora de ocaso estivesse imensamente nas nossas mãos.
Sem senãos.

Sempre quis um amor com definição de quero, sem o lero-lero da falsa sedução. Eu sempre disse não à constituição dos séculos que diz que o 'garantido' amor é a sua negação.

Sempre quis um amor que gozasse e que pouco antes de chegar a esse céu se anunciasse.

Sempre quis um amor que vivesse a felicidade, sem reclamar dela ou disso.

Sempre quis um amor não omisso e que suas histórias me contasse.

Ah, eu sempre quis um amor que amasse..."

(por Elisa Lucinda)

quarta-feira, 17 de março de 2010

Quem, além de você?



"Foi só um sorriso e foi por amor,
Nenhuma ironia, não foi por mal,
Foi quase uma senha pra te tocar,
Nem foi um sorriso, foi um sinal.

Por trás das palavras, da raiva de tudo,
Sorri pra tentar chegar em você,
Foi como fugir pra nos proteger.
Enquanto eu sorrir, ainda posso esquecer.

Porque, quem vai te abraçar, me fala?
Quem vai te socorrer, quando chover?
E acabar a luz pra quem você vai correr?
Quem vai me levar entre as estrelas?
Quem vai fazer toda manhã me cobrir de luz?
Quem, além de você?... quem além de você?

Ninguém tem razão, tenta me entender,
E a gente é maior que qualquer razão,
Foi só um sorriso e foi por amor,
Te juro do fundo do coração.

Foi como tentar parar esse trem
Com flores no trilho e acenar pra você.
Parece absurdo, eu sei, mas tentei!
Enquanto eu sorrir, ainda posso esquecer.

Porque, quem vai te abraçar, me fala?
Quem vai te socorrer, quando chover?
E acabar a luz pra quem você vai correr?
Quem vai me levar entre as estrelas?
Quem vai fazer toda manhã me cobrir de luz?
Quem, além de você?... quem além de você?

Deixa isso passar...
E quando passar, vou estar aqui te esperando
Pra te receber e sorrir feliz dessa vez...
Que esse amor é tanto!

Quem vai te abraçar, me fala?
Quem vai te socorrer, quando chover?
E acabar a luz pra quem você vai correr?
E quem vai me levar entre as estrelas?
Quem vai fazer toda manhã me cobrir de luz?
Quem, além de você?... quem além de você?

Quem além de você???"

(por Leoni)

terça-feira, 16 de março de 2010

Não era Amor, era Melhor!

"Saudade eu tenho do que não nos coube. Lamento apenas o desconhecimento daquilo que não deu tempo de repartir, você não saboreou meu suor, eu não lhe provei as lágrimas. É no líquido que somos desvendados. No gosto das coisas o amor se reconhece. O meu pior e o seu melhor, ficaram sem ser apresentados...

Se não era amor, era da mesma família. Pois sobrou o que sobra dos corações abandonados. A carência. A saudade. A mágoa. Um quase desespero, uma espécie de avião em queda que a gente sabe que vai se estabilizar, só não se sabe se vai ser antes ou depois de se chocar contra o solo. Eu bati a 200 km por hora e estou voltando à pé pra casa, avariada.

Eu sei, não precisa me dizer outra vez. Era uma diversão, uma paixonite, um jogo entre adultos. Talvez este seja o ponto. Talvez eu não seja adulta o suficiente para brincar tão longe do meu patio, do meu quarto, das minhas bonecas.
Onde é que eu estava com a cabeça, de acreditar em contos de fada, de achar que a gente muda o que sente, e que bastaria apertar um botão que as luzes apagariam e eu voltaria a minha vida satisfatória, sem seqüelas, sem registro de ocorrência?

Eu não amei aquele cara. Eu tenho certeza que não.
Eu amei a mim mesma naquela verdade inventada.
Não era amor, era uma sorte.
Não era amor, era uma travessura.
Não era amor, eram dois travesseiros.
Não era amor, eram dois celulares desligados.
Não era amor, era de tarde.
Não era amor, era inverno.
Não era amor, era sem medo.
NÃO ERA AMOR, ERA MELHOR!”

(por Martha Medeiros)

segunda-feira, 15 de março de 2010

Vale a pena se tentar...



"Talvez eu te proponha a coisa certa,
No caso a questão é se tentar.

Mas sempre que eu deixei a porta aberta,
Você veio correndo pra fechar.

E eu fico, sem vergonha, me arrastando
E sem ter por que...

As vezes que te penso não são poucas
E as noites que não durmo são bastantes.

As vezes que recordo são constantes
E as vezes que não volto sofro mais.

Você me amedronta e me apavora,
Não sei por que...

Me deixa ocupar a tua insônia,
Me deixa devastar teus pensamentos,
Me deixa percorrer teus sentimentos
Até me exaustar...

Talvez eu te proponha a coisa incerta,
Mas sempre vale a pena se tentar."


(Simone/Herminio Bello de Carvalho)

Como te quero!?

"Te quero...
Carinhoso,
Com seu jeito jocoso,
Seu olhar desejoso,
Seu beijo gostoso.

Te quero...
Em mim colado,
Teu corpo suado,
Seu peito arfando,
De êxtase sussurrando.

Te quero...
De voz rouca,
Me deixando louca,
Teu abraço me envolvendo,
Em você eu me perdendo.

Te quero...
Me tocando,
Teu fogo me queimando,
Seu desejo aflorando,
Em mim se saciando.

Te quero...
Cansado,
Ao meu lado deitado,
Em teu peito descansar,
E contigo sonhar.

Te quero...
Como te quero!?"

(por Rofan)

domingo, 14 de março de 2010

Meu Eu em Você



"Eu sou o brilho dos teus olhos ao me olhar
Sou o teu sorriso ao ganhar um beijo meu
Eu sou o teu corpo inteiro a se arrepiar
Quando em meus braços você se acolheu
Eu sou o teu segredo mais oculto
O teu desejo mais profundo, teu querer
Tua fome de prazer, sem disfarçar
Sou a fonte de alegria, sou o teu sonhar
Eu sou a tua sombra, eu sou teu guia
Sou teu luar em plena luz do dia
Sou tua pele, proteção, sou teu calor
Sou teu cheiro a perfumar o nosso amor
Eu sou tua saudade reprimida
Sou teu sangrar ao ver minha partida
Sou teu peito a apelar gritar de dor
Ao se ver ainda mais distante do meu amor
Sou teu ego, tua alma
Sou teu céu, o teu inferno, a tua calma
Eu sou teu tudo, sou teu nada
Sou apenas a tua amada
Eu sou teu mundo
Sou teu poder
Sou tua vida
Sou meu eu em você..."

(por Paula Fernandes)

sexta-feira, 12 de março de 2010

Amar Bonito

"Talvez seja tão simples, tolo e natural que você nunca tenha parado para pensar:
Aprenda a fazer bonito o seu amor.
Ou fazer seu amor ser ou ficar bonito.
Aprenda, apenas, a tão difícil arte de amar bonito.
Gostar é tão fácil que ninguém aceita aprender.

Tenho visto muito amor por aí. Amores mesmo, bravios, gigantescos, descomunais, profundos, sinceros, cheios de entrega, doação e dádiva. Mas esbarram na dificuldade de se tornar bonitos. Apenas isso: bonitos, belos ou embelezados, tratados com carinho, cuidado e atenção.
Amores levados com arte e ternura de mãos jardineiras.

Aí esses amores que são verdadeiros, eternos e descomunais de repente se percebem ameaçados apenas e tão somente porque não sabem ser bonitos: cobram; exigem; rotinizam; descuidam; reclamam; deixam de compreender; necessitam mais do que oferecem; precisam mais do que atendem; enchem-se de razões. Sim, de razões. Ter razão é o maior perigo no amor.

Quem tem razão sempre se sente no direito (e o tem)
de reivindicar, de exigir justiça, equidade, equiparação, sem atinar que o que está sem razão talvez passe por um momento de sua vida no qual não possa ter razão. Nem queira.

Ter razão é um perigo; em geral enfeia um amor, pois é invocado com justiça, mas na hora errada. Amar bonito é saber a hora de ter razão.

Ponha a mão na consciência. Você tem certeza de que está fazendo o seu amor bonito?

De que está tirando do gesta, da ação, da reação,do olhar, da saudade, da alegria do encontro, da dor do desencontro a maior beleza possível? Talvez não.
Cheio ou cheia de razões, você espera do amor apenas aquilo que é exigido por suas partes necessitadas, quando talvez dele devesse pouco esperar, para valorizar melhor tudo de bom que de vez em quando ele pode trazer.

Quem espera mais do que isso sofre, e sofrendo deixa de amar bonito. Sofrendo, deixa de ser alegre, igual, irmão, criança. E sem soltar a criança, nenhum amor é bonito.

Não tema o romantismo. Derrube as cercas da opinião alheia. Faça coroas de margaridas e enfeite a cabeça de quem você ama. Saia cantando e olhe alegre.

Recomendam-se: encabulamentos; ser pego em flagrante gostando; não se cansar de olhar; não atrapalhar a convivência com teorizações; adiar sempre, se possível com beijos, 'aquela conversa importante que precisamos ter'; arquivar, se possível, as reclamações pela pouca atenção recebida.

Para quem ama, toda atenção é sempre pouca. Quem ama feio não sabe que pouca atenção pode ser toda atenção possível. Quem ama bonito, não gasta o tempo dessa atenção cobrando a que deixou de ter.

Não teorize sobre o amor (deixe isso para nós, pobres escritores que vemos a vida como a criança de nariz encostado na vitrina cheia de brinquedos dos nossos sonhos): não teorize sobre o amor; ame!

Siga o destino dos sentimentos aqui e agora. Não tenha medo exatamente de tudo o que você teme.

Como: a sinceridade; não dar certo; depois vir a sofrer (sofrerá de qualquer jeito); abrir o coração; contar a verdade do tamanho do amor que sente. Jogue pro alto todas as jogadas, estratagemas, golpes, espertezas, atitudes sabidamente eficazes (não é sábio ser sabido):

Seja apenas você no auge da sua emoção e carência, exatamente aquele 'você' que a vida impede de ser.
Seja você cantando desafinado, mas todas as manhãs. Falando besteira, mas criando sempre. Gaguejando flores. Sentindo o coração bater como no tempo do natal infantil.
Revivendo os carinhos que intui em criança. Sem medo de dizer eu quero, eu gosto, eu estou com vontade.

Talvez aí você consiga fazer o seu amor bonito, ou fazer bonito o seu amor, ou bonitar fazendo o seu amor, ou amar fazendo o seu amor bonito (a ordem das frases não altera o produto), sempre que ele seja a mais verdadeira expressão de tudo o que você é, e nunca: deixaram, conseguiu, soube, pôde, foi possível, ser.

Se o amor existe, seu conteúdo já é manifesto. Não se preocupe mais com ele e suas definições.
Cuide agora da forma. Cuide da voz. Cuide da fala. Cuide do cuidado. Cuide do carinho.

Cuide de você. Ame-se o suficiente para ser capaz de gostar do amor e só assim poder começar a tentar fazer o outro feliz."

(por Arthur da Távola)

Até quem sabe...



"Até um dia, até talvez, até quem sabe
Até você, sem fantasia, sem mais saudade

Agora a gente, tão de repente, nem mais se entende
Nem mais pretende seguir fingindo, seguir seguinte

Agora vou pra onde for, sem mais você
Sem me querer, sem mesmo ser, sem me entender

Vou me esquecer, vou me perder... pela cidade
Até um dia, até talvez, até quem sabe..."

(por João Donato e Lysias Enio)

quarta-feira, 10 de março de 2010

Você está apaixonada...

"Você estava apaixonado por alguém e levou um fora. Acontece mais do que acidente de avião, desastre com romeiros e incêndio na floresta.
Corações partidos é o grande drama nacional. O que fazer? Ainda não lançaram um manual de auto-ajuda que consiga eliminar nossa fossa, e dos amigos só podemos esperar uma frase, repetida à exaustão: 'Tire esse cara da cabeça'.
Parece fácil. Mas alguém aí me diga: como é que se tira alguém de um lugar tão cheio de mistérios?

Gostar de alguém é função do coração, mas esquecer, não. É tarefa da nossa cabecinha, que aliás é nossa em termos: tem alguma coisa lá dentro que age por conta própria, sem dar satisfação. Quem dera um esforço de conscientização resolvesse o assunto: não gosto mais dele, não quero mais saber daquele prepotente, desapareça, um, dois e já!

Parece que funcionou. Você sai na rua para testar. Sim, você conseguiu: olhou vitrines, comeu um sorvete e folheou duas revistas sem derramar uma única lágrima. Até que começa a tocar uma música no rádio e desanda a maionese. Você não tirou coisa alguma da cabeça, ele ainda está lá, cantando baixinho pra você.

Táticas: Não ficar em casa relendo cartas e revendo fotos. Descole uma festa e produza-se para matar.
Você bem que tenta, mas nada sai como o planejado. Os casais que se beijam ao seu lado são como socos no estômago. Você se sente uma retardada na pista de dança. Um carinha puxa papo com você e tudo o que ele diz é comparado com o que o seu ex diria, com o que o seu ex faria. Chamem o EccoSalva.

Livros: Um ótimo hábito, mas em vez de abstrair, você acha que tudo o que o escritor escreve é para você em particular, tudo tem semelhança com o que você está vivendo, mesmo que você esteja lendo sobre a erupção do Vesúvio que soterrou Pompéia.

Viajar: Quem vai na bagagem? Ele. Você fica olhando a paisagem pela janela do ônibus e só no que pensa é onde ele estará agora, sem notar que ele está ali mesmo, preso na sua mente.

Livrar-se de uma lembrança é um processo lento, impossível de programar. Ninguém consegue tirar alguém da cabeça na hora que quer, e às vezes a única solução é inverter o jogo: em vez de tentar não pensar na pessoa, esgotar a dor. Permitir-se recordar, chorar, ter saudade. Um dia a ferida cicatriza e você, de tão acostumada com ela, acaba por esquecê-la. Com fórceps é que a criatura não sai."

(por Martha Medeiros)

segunda-feira, 8 de março de 2010

Dia Internacional da Mulher

Mulheres...

"Mulheres lutam dia-a-dia em busca do seu espaço que lhes foram invadidos.

Mulheres guerreiras abençoadas por Deus usam sua força soberana para continuar sempre de olhos abertos diante das dificuldades.

Mulheres que acordam cedo para mais um dia de rotina e ainda tem tempo pra falar com Deus.

Mulheres que geram vidas, que doam sua própria vida por um filho seu.

Mulheres de personalidade forte, que não se deixam levar por idéias padronizadas de homens que lhes querem dominar.

Mulheres de fé inabalável que buscam a cada dia caminhar no caminho da perfeição.

Mulheres que sonham, que buscam, que querem transformações

Mulheres corajosas que lutam por liberdade; levantam a bandeira da independência e continuam de cabeça erguida.

Mulheres que não tem medo de errar, que a todo instante estão aprendendo com suas falhas.

Mulheres que buscam novos horizontes e estão sempre conquistando vitórias.

Mulheres de idéias próprias e mentes abertas ao conhecimento.

Mulheres que estão sempre renovando seus conceitos e deixando para trás aquilo que não lhes servem mais.

Mulheres que nos fascinam com seu talento e criatividade.

Mulheres que não medem esforços para ir ao encontro do que edifique sua vida.

Mulheres que nos carregam no seu ventre por nove meses sem lamentar.

Mulheres que repousam nosso cansaço no seu colo.

Mulheres que contemplam nossos olhos com sua beleza inspiradora.

Mulheres alegram nossa alma com o brilho do seu semblante.

Mulheres que tanto nos surpreendem...

Que tanto nos encantam...

Que tanto precisamos..."

(por Fábio Ferreira)

domingo, 7 de março de 2010

Intenções Opostas

“Não te amo mais.
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis.
Tenho certeza que
Nada foi em vão.
Sinto dentro de mim que
Tu não significas nada.
Não poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor.
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
Eu te amo!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade,
É tarde demais…”

(Clarice Lispector)

Leia a mesma poesia de baixo para cima. Ela não seria nada excepcional se não tivesse esse artifício. O mesmo texto tem dois lados opostos. Rigorosamente OPOSTOS. Extraordinário, até a pontuação é coerente com os dois lados da leitura.

Infinito Particular



"Eis o melhor e o pior de mim
O meu termômetro, o meu quilate
Vem, cara, me retrate...

Não é impossível, eu não sou difícil de ler
Faça sua parte, eu sou daqui, eu não sou de Marte
Vem, cara, me repara...

Não vê, tá na cara, sou porta bandeira de mim
Só não se perca ao entrar no meu infinito particular
Em alguns instantes sou pequenina e também gigante
Vem, cara, se declara...

O mundo é portátil pra quem não tem nada a esconder
Olha minha cara, é só mistério, não tem segredo
Vem cá, não tenha medo...

A água é potável, daqui você pode beber
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular..."

(por Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown)

sexta-feira, 5 de março de 2010

Meu jardim



"Tô relendo minha lida, minha alma, meus amores...
Tô revendo minha vida, minha luta, meus valores.

Refazendo minhas forças, minhas fontes, meus favores...
Tô regando minhas folhas, minhas faces, minhas flores.

Tô limpando minha casa, minha cama, meu quartinho...
Tô soprando minha brasa, minha brisa, meu anjinho.

Tô bebendo minhas culpas, meu veneno, meu vinho...
Escrevendo minhas cartas, meu começo, meu caminho.

Estou podando meu jardim...
Estou cuidando bem de mim."

(por Vander Lee)

quarta-feira, 3 de março de 2010

Preciso de alguém...

"Preciso de alguém que me olhe nos olhos quando falo.
Que ouça as minhas tristezas e neuroses com paciência.
E, ainda que não compreenda, respeite os meus sentimentos.
Preciso de alguém que venha brigar ao meu lado, sem precisar ser convocado.
Alguém Amigo o suficiente para dizer-me as verdades que não quero ouvir, mesmo sabendo que posso odiá-lo por isso.
Nesse mundo de céticos, preciso de alguém que creia nessa coisa misteriosa, desacreditada, quase impossível: A vida!
Que teime em ser leal, simples e justo, que não vá embora se algum dia eu perder o meu ouro e não for mais a sensação da festa.
Preciso de alguém que receba com gratidão o meu auxílio e a minha mão estendida. Mesmo que isso seja muito pouco para as suas necessidades.
Preciso de alguém que também seja companheiro nas farras e pescarias, nas guerras e alegrias e que, no meio da tempestade, grite em coro comigo: "Nós ainda vamos rir muito disso tudo"... E ria muito.
Não pude escolher aqueles que me trouxeram ao mundo, mas posso escolher quem deve participar da minha vida.
E nessa busca, empenho a minha própria alma, pois com alguém verdadeiro, a vida se torna mais simples, mais rica e mais bela..."

(por Charles Chaplin)

terça-feira, 2 de março de 2010

No meu sonho...

"No meu sonho, vi você chegando silenciosamente...
Trazia no olhar um brilho malicioso e nos lábios um sorriso irreverente e convidativo. Seus braços se abriram acolhedores, e neles me abriguei por inteira, confiante e feliz...

No meu sonho não mais existiam barreiras, passado ou futuro, e o tempo simplesmente parou.

Em nosso egoismo de amantes, somente nós dois existíamos, livres para o amor que explodia no peito, inundava a alma, e nos unia numa torrente de paixão irrefreável...

E, finalmente, fomos felizes juntos!
No meu sonho..."

(por Rose Mori)

segunda-feira, 1 de março de 2010

Matemática da Vida

"A matemática da vida não é simples...
Cada soma é também uma subtração.

Quando somamos mais um ano àqueles que já vivemos, subtraímos um ano daqueles que nos restam para viver.

Esperamos demais para fazer o que precisa ser feito, num mundo que só nos dá um dia de cada vez, sem garantia do amanhã.

Enquanto lamentamos que a vida é curta, agimos como se tivéssemos à nossa disposição um estoque inesgotável de tempo.

Esperamos demais para dizer as palavras do perdão que devem ser ditas, para pôr de lado os rancores que devem ser expulsos, para expressar gratidão, para dar ânimo, para oferecer consolo.

Esperamos demais para enunciar as preces, para executar as tarefas que estão esperando para serem cumpridas, para demonstrar amor que talvez não seja mais necessário amanhã.

Esperamos demais nos bastidores, quando a vida tem um papel para desempenharmos no palco.

Deus também está esperando nós pararmos de esperar. Esperando nós começarmos a fazer agora tudo aquilo para o qual este dia e esta vida nos foram dados.

Meus amigos: É HORA DE VIVER!"

(por Martha Medeiros)