Entre e aconchegue-se, a casa é sua!

"Agradeço muito por você fazer parte da minha viagem, e por mais que nossos assentos não estejam lado a lado, com certeza, estamos no mesmo vagão."

"Se você sabe explicar o que sente, não ame,
o amor foge de todas as explicações possíveis."

"Todos ganham presentes, mas nem todos abrem o pacote."

"Não quero ter a terrível limitação
de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido.
Eu não:
QUERO UMA VERDADE INVENTADA."



"Está em nossas mãos criar as condições que nos permitam descobrir uma forma diferente de ser. Por que não agir como a borboleta que acreditou que não deveria se limitar a uma existência de lagarta e, hoje, trocou sua vida limitada pela LIBERDADE DE VOAR POR ENTRE AS FLORES."

"Acalma meu passo, Senhor.
Desacelera as batidas do meu coração, acalmando a minha mente.
Diminua meu ritmo apressado com uma visão da eternidade do tempo.
Em meio às confusões do dia a dia, dê-me a tranqüilidade das montanhas.
"





quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

No silêncio da noite...

"No silêncio da noite, começo a repensar a vida.
Descubro que na verdade, mesmo sendo mulher madura, mesmo querendo saber sobre o certo e o errado, descubro que na verdade só tenho idade... ainda sou criança pura.
O que é certo? O que é errado? Quem sabe na verdade?!
Como criança busquei a felicidade, como mulher busquei um amor de verdade...
Pensei ter encontrado um resultado de vida, dentro de uma certa realidade... Ledo engano!
Concluo que tudo foi falso... O resultado parece profano...
Na certa busca sem realidade... encontro o erro da maldade.
Como mulher madura... ainda meio criança... busco a felicidade...
Com o direito da conquista, e o dever da bondade... sigo em linha reta!
No silêncio da noite, acho melhor deixar a criança quieta e a mulher ficar esperta!
Como meio mulher-criança, me proponho a mais uma descoberta...
Percebo que algo acontece... algo me inquieta!
No silêncio da noite um grito! Um grito de saudade!
A mulher acorda a criança, trazendo para a realidade, mostrando que na verdade, nada aconteceu com vontade... nada com vontade de viver um amor de verdade...
No silêncio da noite...
O grito emudece, um coração padece, uma alma fenece...
É hora da prece...
O dia amanhece..."

(por Catherine Roos)

Nenhum comentário: